segunda-feira, fevereiro 26, 2007

Hora errada


Confesso ser um fã incondicional do Herman José, muito embora não me considere pessoa de seguidismos acríticos e acéfalos. O Herman moldou grande parte das chalaças que a minha geração insiste em utilizar e ensinou este país cinzento a rir-se de si próprio.
Mas inevitável concordar com a opinião geral. O novo programa do Herman é uma trampa.
É uma trampa porque depois do Herman nos ter habituado a um determinado estilo de humor, este (o humor) se vulgarizou e se tornou mais imediato. Não queremos mais esperar pelo desenrolar de uma história para depois quase no final lhe acharmos piada. O humor hoje em dia tem de ser como o lead de uma notícia. Tem de ter o essencial para agarrar o telespectador à cabeça, sem necessidade de grandes interpretações ainda que nalguns casos felizes (como os Gato Fedorento) o humor possa ser o tal chamado de inteligente.
Este programa do Herman é como os programas a que ele nos habituou na década de 80 e nos princípios dos 90. Tem personagens que não se esgotam nos sketches em que participam. Têm continuidade como o Esteves, a Maximiliana, a Natacha Seminova ou o Cachucho. Estas personagens desenvolvem-se e umas acabam por ter mais piada que outras e acabam todas por desempenhar um papel na trama que este tipo de programa tem. O que não têm é graça. Ou então estamos de tal forma anestesiados pela piada ligeira e ordinária do "Levanta-te e ri" que já não conseguimos ver a graça.

2 comentários:

miga disse...

Concordo em absoluto.
Fiz no Domingo a tentativa de ver o novo programa - erro crasso pois tinha acabado de ver na RTP1 o "diz que é uma espécie de magazine... - desisti ao fim de 15 min, durante os quais não consegui esboçar um sorriso.
É pena que a bestialidade tena substituido a genialidade!
Será que ainda resta um último folego que o salve?
Será que se tronou acrítico em relação aos textos que interpreta?

A única palavra que me vem à cabeça: boçal!

Ricardo disse...

Também concordo. Também sou admirador de Herman José. Também acho que o problema não está na continuidade, mas na falta de piada. Só acrescento que enquanto via o segundo episódio adormeci. É pena...