sexta-feira, fevereiro 16, 2007

Somos todos Frodo

Diamantes de Sangue não me deu a saber nada de novo, mas terá sido mais útil do que várias conferências de líderes...

Diamantes de Sangue apresenta-nos como este planeta funciona, em termos das relações de poder entre ricos e pobres, primeiro e terceiro mundo... A forma discricionária com que ocidentais lidam com a necessidade de diamantes para satisfazer os luxos de milionários dos seus países, a meias com a colaboração directa de mercenários, é uma metáfora do rufia que tira a mochila nova ao miúdo mais fraco da escola.

Não é por acaso que, a dada altura do filme, um velho aldeão diz a uma das personagens principais do filme, seu compatriota, algo como “Espero que nunca descubram petróleo por aqui. Aí é que teríamos problemas...”. O que o velho aldeão está a dizer é “Miúdo, é melhor não mostrares a tua mochila nova a ninguém. Pelo menos, se não souberem que a tens, não ta tiram”...

Não será por acaso que ninguém se preocupou com o Ruanda ou que ninguém se preocupa com a Somália…

Como tudo é ditado pelo tal de “mercado”, e pegando nas palavras tão sábias quanto tristes do aldeão, estamos todos como o Frodo de Senhor dos Anéis. De humilde hobbit, passa a perseguido por muitos e protegido por outros. Porquê ? Porque era portador de um instrumento de Poder desejado por todos. Ou, de forma mais simples, por ter algo que alguém queria… e muito.

Até se começar a explorar os diamantes, a Serra Leoa era como um hobbit a quem ninguém atribuía importância. Mas transformou-se em Frodo, porque o que governa o mundo em que vivemos é uma série de relações de Poder em que aos mais fracos são retirados os seus recursos. As formas utilizadas é que vão mudando. Na maior parte das vezes, até são legais, como este filme apresenta quando explica todo o processo que começa no lodo onde os diamantes são procurados na Serra Leoa até chegarem aos pulsos, dedos, pescoços, ou qualquer outra parte dos corpos daqueles que os usam…

2 comentários:

Guilherme Roesler disse...

E o mais interessante foi que esta exploração foi realizada com sob o conluio do Partido Comunista e do gentilissimo Nelson Mandela. Vai exlicar isso....

pouremuz disse...

Não sei se percebi...