terça-feira, dezembro 26, 2006

A guerra do Natal

O José Alberto Carvalho gosta de dizer nas entrevistas que lhe fazem, que a excessiva violência e tal vez algum aproveitamento sanguinário, que os noticiários possuem deriva da excepcionalidade dos acontecimentos que relatam. Quando a violência e a desgraça humana se tornarem comuns (pelo menos, mais comuns) então as noticias serão diferentes e irão retratar coisas bonitas e crianças felizes.
Seguindo esta lógica, porque razão continuamos a dar noticias sobre acidentes de viação???
Todos os anos, sem excepção a quadra de Natal (já para não falar no resto do ano) fica irremediavelmente marcada pela guerra que se vive diariamente nas estradas portuguesas. É de uma guerra que falamos porque os portugueses não conseguem cumprir as mais básicas regras de civilização quando aos comandos de um carro.
Temos sempre demasiada pressa, o sujeito da frente é sempre demasiado anormal, a estrada é sempre nossa porque a pagámos com os nossos impostos, as regras são sempre demasiado rígidas para quem não está habituado a elas, os outros são sempre demasiado responsáveis, as estradas estão sempre em demasiado mau estado porque o governo não faz nada, a policia está sempre demasiado perto e é sempre demasiado opressora, todos bebemos demasiado mas no final de contas foi sempre só uma cerveja. Sempre demasiadas desculpas para justificar o injustificável. Somos uns anormais a quem não deveria ter sido dada autorização para conduzir.
É na estrada que vêm ao de cima o que de pior temos em nós. Toda a mesquinhez, estupidez e ignorância do povo português manifesta-se dentro de um carro.
Temos de ter grandes carros, com grandes cilindradas, isso é que é de homem. Não acelerar e andar a pisar ovos é logo razão mais que suficiente para questionar a legitimidade da carta de alguém, além de ser óptima razão para se insultar alguém que aquele cabeludo e impiedoso nome que faz tremer os homens com eles no sítio, "MEU GRANDE PANELEIRO, anda lá com essa merda".
Na essência não se consegue compreender para que existe um código da estrada em Portugal, senão precisamente para não o cumprirmos. Há uma série de gajos que não percebe nada de condução, sim porque nós somos todos tão bons condutores quanto somos bons treinadores de bancada, que insistem em colocar sinais e traços e marcas no chão. Tudo para apenas se tornar mais evidente a necessidade de não os cumprir. É irresistível… um português não consegue ter um nível de civilização adequado que lhe permita escolher entre cumprir e não cumprir. Nem sequer chega a ser um dilema moral. Um traço contínuo é a própria definição do incumprimento. Ele existe precisamente para ser violado.
É de uma guerra que se trata, e independentemente das desculpas que possamos arranjar, no momento em que alguém é vítima da condução irresponsável de outrém, temos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para deter estes anormais.
Na realidade o verdadeiro milagre de Natal dos nossos dias é não morrer mais gente na estrada, porque boas oportunidades não faltam e a Divina providência vai acabando por safar alguns.

1 comentário:

pdamásio disse...

Ora aí está!
Muito bem!
Por muitas vezes que um post/mensagem (seja o que for) saia da "boca" de algu´wm..nunca é demais!
Este post reflecte EXACTAMENTE o que sinto em relação ao comportamento dos "portugueses" (entre aspas porque não podemos generalizar totalmente:) na estrada.
A realidade é que pessoas até "aparentemente civilizadas" no trato pessoal....revelam-se autênticos ANIMAIS quando estão ao volante!...há, portanto, em "nós" um processo estranho de transfiguração...que transforma um homem comum...num qualquer lobisomem do volante...que destrói tudo o que lhe aparecer à frente!

Reparem que (apesar da tendência de diominuição recente) o número de mortes na estrada em média (fora os feridos graves que se transformarão em mais mortes ou incapacitados para a vida) é de quase 4 por DIA. Basta consultar as estatísticas oficiais.

Perante estes números...não há palavras...é efectivamente uma GUERRA. Eu acho que só morrem mais soldados americanos no Iraque por dia desde a invasão....é impressionante...e pessoas de fome no mundo obviamente....mas nós somos tão pequenos...como é que temos esta "bestialidade???

Muitas vezes eu rio-me quando dão um realce tremendo a um acidente de trabalho mortal em Portugal...buscando responsáveis e tentando "crucificar" alguém.
BOLAS é óbvio que deve haver segurança no trabalho suficiente e adequada...e nunca é demais prevenir!..mas...morre-se mais por acidentes de viação!.

Recentemente o governo anunciou que "despediu" 40 dos 50 funcionários da PRP.
Eu digo: "ainda bem"...esses caramelos não andavam lá a fazer nada....faça-se Prevenção que se veja!....exija-se resultados!....Salvem vidas!....prendam os assassinos....castiguem os prevaricadores (que cometam infracções graves...exemplarmente!...separem a infracção de trânsito leve das outras de forma clara!....aumentem as coimas de certas infracções para valores DUROS, MUITO DUROS!

O português só aprende se "lhe forem ao bolso"....façam-nos sofrer!