domingo, setembro 24, 2006

Reflexões de fim de semana sobre as pessoas

Há coisas que nunca mudam... e pessoas que mudam demais.
É legítimo. Afinal todos nós a cada momento da nossa vida somos ao mesmo tempo correspondência directa com o que fomos no passado.
É justo. Cada um de nós vê-se frequentemente na encruzilhada de saber o que é melhor para a sua vida.
É simples. Independentemente das circunstâncias que unem as pessoas a vida fá-las seguir caminhos diferentes.
E daí e talvez não...

3 comentários:

Nuno Guronsan disse...

Não é fácil vermos a vida passar por nós e por aqueles que conhecemos e as diferenças que resultaram do passar do tempo. É esse o paradigma constante de tudo o que gira à volta da mudança...

(Acho que dormi demais...)

miguelinho disse...

Sem duvida goronsan, mas da-me a sensação que ainda é mas difícil ver a vida passar por nos e por aqueles que conhecemos e ver que em alguns deles as diferenças que resultam do passar do tempo são nenhumas, ficaram presos a um qualquer registo do passado e quando raramente os encontramos a conversa rapidamente passa para o recordar dos "bons velhos tempos" (esta situação é ainda mais estranha em pessoas que andam na casa dos 30 e consideram os seus "bons velhos tempos" a altura em que tinham 15)

José Raposo disse...

Os meus amigos estão lá... acho que é mais complicado ver que tudo afinal ficou estático como há dez anos, mas igualmente interessante é perceber quanto as pessoas mudam.
No fundo eu acho que é saudável querer recordar o passado mas não o viver no presente e nem tentar afastar-se dele como da peste.
Mas indepentemente do lado em que se veja a coisa, se calhar isto não tem importância nenhuma...